quinta-feira, 20 de novembro de 2014

DIÁRIO DE BORDO: MACEIÓ, AL.

Quando o pessoal da Mar Eventos (www.portalmareventos.com.br) me convidou para ministrar curso em Maceió, pensei: vou conhecer mais uma capital do Nordeste, e vou pedir uns dias a mais para fazer turismo. Mas, não imaginava que seria tão bom!

12.11.2014 – cheguei em Maceió à noite e fui recebido por André e Marcela que me levaram direto ao restaurante Massagueirinha. Havia dito a eles que gosto de turismo não-praiano, então eles decidiram começar pela gastronomia local. Em seguida chegou o Pedro e a Emanuelle. Pediram logo três pratos diferentes para eu provar: arroz de polvo, filé de siri e caldo de sururu. Não sei qual das três opções foi a melhor: chegou uma hora que eu misturei tudo, para curtir todos os sabores ao mesmo tempo, depois evidentemente de ter provado cada iguaria separadamente. Realmente delicioso, recomendadíssimo! A seguir, me levaram ao Maceió Mar Hotel, onde fiquei hospedado – e onde também aconteceu o curso de Revisões e Cálculos Previdenciários que ministrei.
Vista do apartamento 606 do Maceió Mar Hotel

13.11.2014 – talvez pela viagem cansativa, tensão pré-curso, sei lá, não tive uma noite de sono das melhores, apesar de a cama do hotel ser muito boa. No nordeste em geral, e Alagoas em particular, o sol nasce muito cedo: antes de 5h00 da manhã já está claro. Curiosamente, dormi melhor depois das 5h00! Pouco depois das 7h00 fiz meu café da manhã no hotel, pois tinha compromisso logo a seguir. O café da manhã do hotel é bem diversificado, com muitas opções, principalmente regionais. Não tinha o pão integral e o cappuccino que tomo todos os dias em casa, mas foram perfeitamente substituídos por outros diversos pães e um saboroso café-com-leite. Em seguida, o João me levou à Rádio Gazeta Web, onde tínhamos uma entrevista agendada no programa Ministério do Povo, apresentado pelo jornalista Rogério Costa. Logo depois, entrevista via telefone para a rádio CBN. A seguir, o Renato me levou para almoçar na Bodega do Sertão, outro restaurante de comida típica, com uma grande variedade de pratos, nem todos regionais. Devia ter anotado – ou ao menos fotografado – o que comi, para relatar aqui, mas me esqueci... De todo modo, como fiz outra mistura daquelas, posso recomendar tudo. À tarde fiquei no hotel, pois tinha aula à noite. Após a aula fomos jantar – agora com toda a equipe Mar Eventos – no Imperador dos Camarões, onde a pedida foi um chiclete de camarão simplesmente divino!

14.11.2014 – aula o dia todo: no almoço voltamos ao Massagueirinha, agora acompanhado também de alguns alunos do curso. Na intenção de me mostrar a maior variedade possível de pratos, Renato pediu um Camarão à moda da casa. Maravilhoso! À noite, após o fim do curso, fomos ao bairro do Farol, e jantamos no Mirante Gourmet – uma estratégia de venda de apartamentos sensacional: no local serão construídas duas torres residenciais, com lazer completo, neste conceito de residencial resort que impera ultimamente. A construtora, sabiamente, usou o espaço onde as torres serão construídas para instalar alguns restaurantes ótimos (comemos no Four Bistrot) para que os visitantes possam apreciar a vista e se interessem ainda mais pela compra de uma unidade. Me deliciei com um risoto de camarão sensacional.

15.11.2014 – feriado no sábado não é lá grande vantagem – exceto se você estiver a passeio, como passava a ser meu caso. Precisava fazer um depósito, e só encontrei agência do meu banco no centro. Fui então a pé, pela praia, até o centro, e este foi um dos passeios gostosos que fiz, vendo a cidade, suas construções, o movimento dos moradores. No centro, uma espécie de calçadão entre as lojas abriga inúmeras barracas de ambulantes vendendo de tudo: de comida à CDs de piadas. E o movimento, mesmo no feriado, estava frenético! Almocei no Parmegianno da Jatiúca, já na companhia de meus amigos Priscila e Eder, de Goiânia. Pedimos um chiclete de camarão, mas faltou camarão... Tinha mais queijo do que qualquer outra coisa, mas ainda assim estava saboroso. Na sequência, Pedro e Renato nos levaram para o município vizinho de Marechal Deodoro, onde estava acontecendo a FLIMAR – Festa Literária de Marechal Deodoro.
Laurentino Gomes na FLIMAR - este
ano em homenagem a Djavan.
 Assistimos uma palestra com o jornalista Laurentino Gomes, autor da trilogia 1808 – 1822 – 1889. Ele falou especificamente sobre a última obra, que tem como um de seus personagens principais o Marechal que dá nome à cidade. 
Eu e Laurentino Gomes, na FLIMAR.

A seguir, conhecemos a “Casa de Marechal Deodoro”: trata-se de uma exposição de móveis antigos na casa onde ele viveu. Renato me disse que antigamente a casa era realmente preservada, mas hoje parece mesmo uma exposição de móveis e quadros da época – réplicas dos móveis utilizados pelo Marechal e sua família. Ainda assim, continua sendo um passeio interessante. Ah, mas a cidade de Marechal Deodoro é linda: cidade antiga, construções do século 19 preservadas, realmente vale o passeio! E tem a Lagoa Mandau, que merece um tempo maior de visitação e curtição.
Marechal Deodoro - AL
Voltamos a Maceió e, mais tarde, fomos – eu e meus amigos goianos – jantar no outro Imperador dos Camarões, agora o da praia. Pedimos um pescado, saboreamos um Casal Garcia, muito bom (vinho branco, quase um frisante), sugestão da Ana Priscila. Mas o chiclete de camarão da outra unidade esteve bem mais interessante... Talvez se tivéssemos ido com os amigos locais, eles nos indicassem outro prato mais bacana – ou até outro restaurante.

16.11.2014 – como canta o Ultraje à Rigor, “Domingo eu vou pra praia, pode parar tudo: eu vou pra praia”! Novamente com meus amigos de Goiânia, fomos conhecer a Praia do Francês. Apesar de muito comentada, não achamos nada de mais: uma praia comum, cheia de gente, etc. Acabamos ficando mais tempo do que ela mereceu.
Praia do Francês
Fomos em seguida para Massagueira almoçar. Os amigos da Mar Eventos nos indicaram alguns restaurantes, mas resolvemos explorar um pouco e, após terminar o asfalto, seguimos por uma estrada não pavimentada até encontrarmos, lá na frente, o Crôa Bar: um bar muito bem estruturado à beira da lagoa, com barracas, redes e uma trilha sonora das melhores: só rock’n roll! Entretanto, o serviço deixou a desejar. As bebidas foram servidas rapidamente, mas a comida... Pedimos um siri recém-falecido para o almoço. Como começou demorar, pedimos caldinho de feijão para tapear a fome – mas, muito ralo, quase uma água de feijão! Depois de esperarmos mais de uma hora, perguntamos ao atendente pelo siri, e só então fomos informados de que o prato não estava disponível...
Crôa Bar.
Saímos, e fomos almoçar no Bar do Pato, recomendação do Renato. Como era tarde estava lotado, demoraram um pouco para nos servir. Mas o peixe frito ao molho de camarão que pedimos estava ótimo. Saindo de lá fomos visitar a Praia do Gunga, a melhor do dia. Uma praia linda, com muitos coqueirais – aliás, o que mais vi em Maceió foram coqueiros, um mais lindo que outro! Uma vista maravilhosa!
Praia do Gunga.
Como já era fim de tarde, tinha pouca gente. Andamos um bom tanto nesta praia; ao voltarmos, os bares já estavam fechados, e nos restou voltar para a cidade. À noite fui sozinho à feira de artesanato, e descobri que eles fecham cedo: era perto de 21h, e as barracas já estavam fechando! Uma pena ... Mas valeu pela caminhada noturna que fiz.

Vista do restaurante Vila Chamusca.
17.11.2014 – como no dia anterior fomos em praias do sul, decidimos ir para o lado oposto.
Hibiscus Alagoas.
A primeira parada foi no Hibiscus Alagoas, um restaurante à beira da Praia de Ipioca, uma estrutura linda, charmosa, à beira da praia.Cobram R$ 15,00 por pessoa para entrar, mas vale a pena: além da sensação de segurança e privacidade, a quantidade de gente bonita surpreendeu. Os atendentes sempre atenciosos, o serviço bom, um caldinho de feijão bem gostoso também. Para o almoço saímos do clube e fomos ao Vila Chamusca Arte e Gastronomia: com um serviço top e uma vista deslumbrante, é um bistrô muito charmoso! Saboreamos um lagostin à belle meunière show de bola. de sobremesa, pudim.
Sobremesas no
Vila Chamusca
Saindo de lá, fomos procurar a praia do carro quebrado – uma praia quase deserta, de difícil acesso, mas que vale muito a pena. Se tivéssemos ido mais cedo, teríamos aproveitado muito mais. Porém, é daqueles lugares que merecem um dia todo de visitação e contemplação. Sem estrutura nenhuma, bem natural e rústica mesmo: quando chegamos tinha apenas um grupo de pessoas em um bug, mas já estavam de saída: a tarde estava caindo e o vento começava castigar, apesar do calor. Para quem é do Sul como eu, o vento estava agradável; mas para quem é do local, a sensação já era de frio.
Praia do Carro Quebrado.
Voltamos ao hotel e, mais tarde, fomos novamente com a galera da Mar Eventos jantar, desta vez na Casa da Macaxeira. Claro que fiz piadinha: só ia comer se tivesse aipim ou mandioca! Hahaha! O Renato pediu uma macaxeira com carne guisada – tipo uma carne de panela. Sensacional! A macaxeira deles tem um sabor diferente, muito mais gostosa do que a nossa mandioca! O molho da carne também estava delicioso, bem como a própria carne. Literalmente, estava de lamber os beiços! Em seguida, pediu uma segunda rodada, agora com carne assada. Igualmente deliciosa – mas, preferi a carne guisada, talvez pelo molho.

18.11.2014 – hora de ir embora: pela manhã, fiz um último passeio pela praia de Ponta Verde, em frente ao hotel. Uma praia linda, urbana, estruturada, com ciclovia, restaurantes, bares, etc
Praia da Ponta Verde
. Às 13h00 saiu meu voo de volta para casa, e estou aproveitando o tempo dentro do avião para relembrar estes momentos deliciosos em Maceió. Agora, é só aguardar o próximo curso da Mar Eventos, para visitar os lugares que ficaram pendentes!





Lugares visitados e recomendados

Para se hospedar:
Maceió Mar Hotel (www.maceiomarhotel.com.br) – se possível, escolha um quarto de frente para o mar. Fiquei no 606, uma vista esplêndida!

Para comer e beber:
Restaurante Massagueirinha (R. Dep. José Lages, 1105 – Ponta Verde) – o arroz de polvo é impagável!
Bodega do Sertão (www.bodegadosertao.com.br) – grande variedade de pratos típicos, decoração regional. Muito bacana.
Imperador dos Camarões (www.imperadordoscamaroes.com.br) – as duas unidades são ótimas. O da praia tem um aspecto um pouco mais rústico, enquanto o outro é mais refinado. Com amigos: o da praia. Com a namorada – ou o namorado – no outro.
Mirante Gourmet (R. Aristeu de Andrade, 256 - Farol) – um futuro empreendimento imobiliário, atualmente ocupado por ótimos restaurantes, com uma vista maravilhosa da cidade.
Crôa Bar (Av. Divina Pastora, Massagueira) – serviço ruim, só recomendo se for apenas para beber e curtir a praia.
Bar do Pato (www.bardopato.com.br) – para almoçar chegue cedo: depois de certo horário fica lotado, e o serviço demora.
Casa da Macaxeira (Praça Treze de Maio, 120) – recomendo demais a macaxeira com carne guisada.
Parmeggiano da Jatiúca (R. Jopsé Luiz Calazans, 44 – Jatiúca) – apesar de nosso chiclete de camarão não ter sido tão bom, o restaurante é bem recomendado pelos amigos alagoanos.
Vila Chamusca Arte e Gastronomia (R. do Cruzeiro, 130 - Ipiopca) – pratos deliciosos, e uma vista esplêndida.

Para visitar:
Casa de Marechal Deodoro (no município de Marechal Deodoro) – exposição de móveis antigos, réplicas dos utilizados pelo Marechal e sua família. Vale a visita também pela beleza da cidade.
Feira de Artesanato (Ponta verde) – vá no fim da tarde ou início da noite, pois fecha cedo – lembrando que 18h00 já é noite em Maceió!

Praias - litoral sul:
Praia do Francês – muito comentada, mas não recomendo. Pelo que me disseram, Barra de São Miguel (logo depois, não conseguimos ir por falta de tempo) parece ser bem mais interessante.
Praia do Gunga – tire um dia inteiro para curtir. Vale o dia!

Praias - litoral norte:
Restaurante Hibiscus (www.hibiscusalagoas.com.br) – ótimo para passar uma manhã. Se não for almoçar lá mesmo, saia antes do meio dia – caso contrário, a tarde estará praticamente condenada.
Praia do Carro Quebrado – para passar o dia, levar um isopor com bebidas e comidas.

Centro:
Praia da Ponta Verde – tem ciclovia em toda a extensão, tudo muito bem estruturado.

Um abraço, e até a próxima!

6 comentários:

  1. Muito obrigada pelos elogios ao nosso VIla Chamusca. O Bistrô fica no Alto de Ipioca, local onde nasceu o Marechal Floriano Peixoto, localizado atrás da igreja N. Senhora do Ó. Nossos Telefones (82) 3355-1639 e 9106-2665.

    ResponderExcluir
  2. Boua Professor, estarei de férias em Maceió a partir de 02/Dez/2014... com certeza vou seguir suas dicas.... Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bacana, Bruno! Dica de ouro: converse com pessoas de lá, para ter as melhores dicas. Isso sempre funciona, em qualquer lugar!!!

      Excluir
  3. Olá,estou recebendo auxílio doença, minha patroa morreu,como fica minha situação? Aguardo resposta.Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O auxílio-doença continua normalmente. Quando ele cessar, os dependentes de tua patroa deverão fazer teu acerto.

      Excluir